fbpx

PEDOVIA: Prioridades – em ser·mão figurado

(*) Nuno Fonseca Ferreira

Licenciado e Mestre em Engenharia Eletrónica e Telecomunicações

Master of Business Administration

O Município da Guarda, aprovou na última reunião de câmara o projeto da PEDOVIA. Um novo projeto para a execução da obra, foi aprovado pelos vereadores com pelouros do PSD e mereceu a abstenção do vereador sem pelouros também do PSD, um diferendo contabilizado em duas variáveis – Metros e Euros – em virtude da diminuição da extensão da GRANDE OBRA do regime.

Investir o valor de 1,7 milhões de euros na GRANDE OBRA do regime não parece dignificante, nem suficiente sugere um vereador – justificando a abstenção. Os 2,5 milhões é que nos davam a PEDOVIA como deve ser – sugere – um orgulho beirão pela inovação da obra!

O “X diz que o valor que está agora a concurso para a construção da Ciclovia vai ao encontro do projeto inicial e deixa uma farpa a Y, dizendo que o vereador parece ter outros meios financeiros ao seu alcance para executar a pedovia por 2,5 milhões de euros”. Pumba!

A redução foi justificada pelo X com a necessidade de «diminuir a execução da obra para alinhar o projeto com os valores de uma candidatura ao FEDER, de 1,3 milhões de euros». Nesse sentido, foi eliminado alargamento da ponte da Estação e o prolongamento da ponte pedonal sobre a VICEG. Pumba!

O Y lembra que as taxas de execução dos dinheiros que vêm de Bruxelas, ainda são muito baixas. Zás!

O X [Pensará mas não diz]- Bruxelas não! Tudo menos Bruxelas. Pimba!

Grande querela politica – discussão; debate; disputa – Uma obra que nos vai dar emprego e sustento a TODOS. Um canto plangente que vai resolver os problemas dos que teimam em viver aqui!

A grande questão (do momento) para o desenvolvimento da Guarda: “Vamos ter ou não vamos ter uma PEDOVIA que ligue os bairros todos, gastemos 2,5 milhões ou até 3 milhões nesta obra de regime”? Ou apenas e só os 1,7 milhões?

Por vezes os políticos resignam-se à transformação de tudo em ciclovias mas atendem os que “eclamam uma pedovia, para uso exclusivo de quem ande a pé, como Deus nos fez”. Ora o sufixo “via” continua na moda, ao contrário de palavras velhas e românticas como “passeios” e “passadeiras” e “caminhos”.

PEDOVIA usada com o significado de «faixa para caminhadas ou corrida», não consta no dicionário, mas tem uso efetivo, por muito discutível que seja a sua formação à luz de padrões mais regulares e tradicionais para a formação de palavras em português.

A palavra PEDOVIA, (…) ‘Uma alternativa a pedovia, menos económica, mas mais consistente do ponto de vista linguístico, será o emprego de expressões como «via pedestre» ou «itinerário pedestre», ou, ainda, «faixa/via para/de peões» (…).

Ora … Ora… PEDOVIA é um “caminho”? Não pode ser!!! «Via pedestre»? «Itinerário pedestre»? Ou «faixa/via para/de peões»? Humm!!! Então na Guarda há lá caminhos que liguem as Lameirinhas – ao Bairro do Torrão, ou o Bairro da Luz ao Bairro do Pinheiro? A Estação à Sequeira? Andar a pé entre estes bairros? Isso é impossível! Não acontece. Ironia no sermão.

Se fizermos um percurso a partir do centro da cidade da Guarda até Cavadoude encontramos o “Castro do Tintinolho”, com alguns troços de calçada romana ainda com os vários estratos construtivos. São caminhos da “Idade do Ferro com ocupação romana e medieval”. Por cá já andavam a pé há muitos anos!

Os nossos antepassados deslocavam-se a pé, ou em carroças para fazer a sua vida comercial e social. O pedestrianismo é atualmente um desporto de andar a pé geralmente na natureza e em caminhos tradicionais, mas também em meios urbanos. Não relativizemos a importância de andar a pé.

Já construir uma infraestrutura tão cara, um investimento tão grande, para andar a pé (ou bicicleta) tenho as minhas dúvidas que esta seja uma obra prioritária e que mereça ser considerada uma GRANDE OBRA (a ser feita – ainda é só projeto).

Investir em PESSOAS

Investir em SAUDE

Investir em EMPREGO

Investir em EMPRESAS

Investir em PARQUES TECNOLÓGICOS

Investir em APOIO À CRIAÇÂO DE EMPRESAS

Investir em FIXAR GRANDES EMPRESAS que criem postos de trabalho

(…)

A prioridade NUMERO UM é fazer um caminho ? (…) com um nome fashion.

Também é!

Duvido é que seja a prioridade número UM.

%d bloggers like this: