fbpx

ANA MENDES GODINHO: existe uma brigada de intervenção rápida na Guarda

 

Na Guarda existe uma brigada de intervenção rápida da Segurança Social que tem nove pessoas. A ministra da Segurança Social admite que a Guarda é uma das zonas do país onde há mais dificuldade em recrutar pessoas para equipas de intervenção rápida para os lares atingidos por Covid-19.

 

A ministra da Segurança Social confirma que as equipas de intervenção rápida para os lares de idosos atingidos pela Covid-19 “já foram ativadas, até ao momento, 51 vezes” desde a sua criação.

 

Esta segunda-feira, no Parlamento, onde foi ouvida no âmbito da discussão do Orçamento do Estado (OE) para 2021, Ana Mendes Godinho admitiu, contudo, que há regiões onde tem havido dificuldade em recrutar elementos.

 

“Quanto à questão concreta em relação à Guarda, a informação que eu tenho, ao dia 22 [de outubro], existia uma brigada de intervenção na Guarda que tinha nove pessoas. Dito isto, quero frisar que há zonas do país onde é, de facto, mais difícil encontrar recursos humanos para ter capacidade de resposta e o que nós estamos aqui a fazer é, permanentemente, monitorizar a situação e procurar reforçar as várias brigadas que existem no país”.

 

Ana Mendes Godinho responde à preocupação expressa pelo presidente da Câmara da Guarda que, esta segunda-feira, após a reunião de Câmara onde foi interpelado pela oposição, apelou à criação “urgente” de equipas de intervenção rápida na região, para ser dada resposta ao surto de Covid-19 da Guarda (funcionários da Camara Municipal, Segurança Social e GNR local com vários casos positivos) e  que venham a ocorrer em lares de idosos.