fbpx

Despedimento de 95 trabalhadores na DURA “uma bomba” na Guarda

 

A fábrica da Guarda da Dura Automotive, em Vila Cortez do Mondego, que produz componentes para a indústria automóvel, vai reduzir 95 postos de trabalho dos atuais 155, para “assegurar um desempenho empresarial sustentável”, foi hoje anunciado.

 

A administração da empresa refere em comunicado enviado à agência Lusa, que hoje informou os seus trabalhadores “da necessidade de implementar um plano de reestruturação que inclui a redução de 95 postos de trabalho, referindo-se ao trabalho indireto e direto”.

 

A Dura Automotive Portuguesa – Indústria de Componentes para Automóveis, Lda, refere na nota que a medida de reestruturação visa “assegurar um desempenho empresarial sustentável”.

 

“As ações de reestruturação são necessárias como resultado de encomendas de produção substancialmente reduzidas de clientes nacionais e internacionais”, reforça.

 

Segundo a fonte da empresa, “uma redução dos contratos de produção nos últimos 36 meses, associada ao impacto de uma quebra da indústria automóvel induzida pela covid, resultou numa redução de 65% do volume de negócios em 2021, em comparação com 2019”.

 

O representante da Comissão de Trabalhadores, Paulo Ferreira disse à agência Lusa que a decisão foi recebida como “uma bomba”, embora os operários estivessem a “contar” que os despedimentos pudessem acontecer.

 

A decisão foi comunicada aos funcionários num plenário que decorreu esta tarde nas instalações da multinacional norte-americana. A unidade fabril vai apenas manter 60 trabalhadores.