As notícias da Guarda mais perto de Si

Guarda: PJ detém grupo de assaltantes suspeito de homicídio, tortura e sequestro

 

A Polícia Judiciária anunciou a detenção de quatro pessoas suspeitas de praticar vários crimes violentos, como homicídio, sequestro agravado e roubo nas zonas centro e norte do país. Foram apreendidas armas de fogo, automóveis de alta cilindrada e até uma moto de água.

 

(Leia o artigo até ao fim – www.guardanoticias.pt – As notícias da Guarda mais perto de si).

 

Em comunicado enviado às redações, a Diretoria do Centro da Polícia Judiciária (PJ) refere que realizou uma operação policial “com vista a desmantelar um grupo que se dedicaria à prática reiterada de crimes violentos”.

 

“No cumprimento de mandados de detenção emitidos pelo DIAP Regional de Coimbra, deteve dois homens e duas mulheres, todos empresários, pela presumível autoria, entre outros, dos crimes de homicídio, sequestro agravado, roubo, furto qualificado, branqueamento de capitais e associação criminosa”, segundo a nota.

 

Da operação de detenção resultou a apreensão de, vários equipamentos destinado à prática dos crimes sob investigação, “dez armas de fogo e munições, oito veículos automóveis, alguns dos quais de alta cilindrada, uma moto de água e duas moto-quatro, valores em numerário e diversos artigos adquiridos com os proventos do crime”.

 

Segundo a investigação apurou o grupo terá vindo a cometer estes alegados crimes desde 2017, “selecionando criteriosamente alvos em toda a zona centro/norte do país, sobretudo residências de comerciantes ou empresários, atuando, se necessário, com grande violência e crueldade”.

 

Os detidos têm idades compreendidas entre os 26 e os 46 anos, sendo que dois já tinham “antecedentes criminais ligados a roubos, furtos e detenção de armas de fogo proibidas”.

 

Todos “foram presentes a Tribunal para primeiro interrogatório judicial, tendo aos dois homens sido aplicada a prisão preventiva e, as duas mulheres, ficaram sujeitas a presentações bissemanais, à proibição de se ausentarem do Concelho de residência e ao pagamento de uma caução de 20 mil euros cada uma”.

 

Segundo a nota  investigação “foi realizada em articulação com o Departamento de Investigação Criminal da Guarda da Polícia Judiciária e com a colaboração operacional e ao nível de partilha de informação com a GNR, nomeadamente com os Comandos Territoriais de Coimbra, Leiria, Santarém, Guarda, Viseu e GIOE – Grupo de Intervenção de Operações Especiais”.

 

(Fim do artigo – www.guardanoticias.pt – As notícias da Guarda no Facebook e Twitter)

 

 

 

(Fim do artigo – www.guardanoticias.pt – As notícias da Guarda no Facebook e Twiter). G-WH913LSLRB 86d4e63d557e44029786b77c5bab0cb3