As notícias da Guarda mais perto de Si

IPG vai formar quadros da Administração Pública na área de cibersegurança

Publicidade

 

 

O Politécnico da Guarda (IPG)  irá colaborar na capacitação de cerca de 10 mil especialistas na área da cibersegurança, no âmbito de um acordo assinado hoje com o Centro Nacional de Cibersegurança destinado a quadros da Administração Pública.

 

 

 

 

O Instituto Politécnico da Guarda – IPG assinou hoje, dia 9 de junho, um memorando de entendimento com o Centro Nacional de Cibersegurança, o qual prevê a qualificação e a requalificação de cerca de dez mil quadros da Administração Pública na área de cibersegurança.

 

A iniciativa surge no âmbito do programa C-Academy – do Centro Nacional de Cibersegurança – que irá juntar instituições de ensino superior e disponibilizar conteúdos e formações alinhados com o Referencial de Competências de Cibersegurança.

Publicidade

 

 

O IPG vai desenhar conteúdos e lecionar formação avançada aos quadros da Administração Pública. “Esta parceria com o Centro Nacional de Cibersegurança resulta da aposta que o Politécnico da Guarda tem feito na área das Tecnologias de Informação e Comunicação, mais precisamente na cibersegurança, lançando formações e formalizando parcerias com empresas tecnológicas”, afirma Joaquim Brigas, presidente do IPG. “Iremos mobilizar os nossos docentes para adaptarem, criarem e lecionarem conteúdos para a qualificação de quadros, preparando-os para mitigar os riscos e impactos decorrentes de incidentes no ciberespaço”, refere fonte do Politécnico da Guarda.

 

O programa C-Academy é um projeto de abrangência nacional, financiado pelo Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), que prevê formar cerca de 10 mil peritos em cibersegurança nos próximos quatro anos. O objetivo é reforçar e atualizar as competências de segurança informática dos quadros da Administração Pública.

 

Para além de lecionar aulas, o Politécnico da Guarda irá também contribuir para o desenho e a produção de conteúdos, alinhados com as competências definidas no Quadro Nacional de Referência para a Cibersegurança (QNRCS). Toda a formação funcionará num modelo de microcréditos, através de cursos intensivos de 35 e de 70 horas.

 

O memorando de entendimento para a formação avançada foi assinado na oitava edição da conferência C-Days – iniciativa do Centro Nacional de Cibersegurança – este ano dedicada ao tema “Apostar na Prevenção”. A iniciativa reuniu oradores de diferentes áreas para discutir e promover a reflexão sobre a cibersegurança, uma vez que “os ciberataques têm vindo a crescer em número e sofisticação, atingindo todos os setores de atividade económica e a Administração Pública”.

 

Publicidade

 

 

Publicidade
(Fim do artigo – www.guardanoticias.pt – As notícias da Guarda no Facebook e Twiter). G-WH913LSLRB 86d4e63d557e44029786b77c5bab0cb3
%d bloggers like this: