As notícias da Guarda mais perto de Si

Fogo às portas da Guarda

Publicidade

 

O vento forte que se faz sentir na Guarda levou o incêndio, que começou ao princípio da tarde na Quinta do Zambito às porta da Guarda. O incendio ainda está em curso, o fumo é visível em toda a cidade da Guarda.

 

O Presidente da Câmara Municipal da Guarda, Sérgio Costa considera a “intensidade do vento” como um dos maiores problemas que as autoridades estão a enfrentar no terreno e que já levou as chamas a percorrer cerca de seis quilómetros, em linha reta.

 

“O incêndio começou às portas da cidade, ligeiramente abaixo do Instituto Politécnico, e o vento fê-lo caminhar para norte. Já cortou a A25 [autoestrada 25], cortou o antigo IP5, cortou já várias estradas municipais e há sempre estes constrangimentos no próprio trânsito. Está tudo a ser desviado pela Nacional 16, pelo vale do Mondego”, explicou o presidente da Câmara.

Publicidade

 

Sobre a evolução das chamas, que estão a progredir numa zona de mato e estão “perto” da povoação de Alvendre, localizada a nordeste do local onde o incêndio eclodiu, onde ardeu um “pequeno armazém” agrícola.

 

De acordo com fonte do Comando Territorial da GNR da Guarda, as chamas atingiram três viaturas na passagem pela aldeia do Alvendre no concelho da Guarda.

 

“Os proprietários [das viaturas] ausentaram-se e quando chegaram já tinham sido atingidas” pelo fogo, segundo o Comando Territorial da GNR da Guarda

 

O incêndio também esteve perto da aldeia de Carapito, próximo da cidade da Guarda, mas não atingiu habitações, disse a fonte da GNR.

 

“Agora é continuar a acompanhar, a ver se se consegue fazer o combate às chamas, sempre com segurança, mas profícuo. Mas o vento continua a soprar com muita intensidade”, avisou Sérgio Costa.

 

Os operacionais no terreno, “estão a tentar” dominar o fogo ainda durante o dia de hoje, “mas é extemporâneo falar disso” a esta altura, frisou.

 

Segundo Sérgio Costa “de um momento para o outro, fazer uma mudança nos flancos do incêndio”, apelando à “vigilância” e à “ajuda” das populações.

 

“Peço que se mantenham vigilantes e toda a ajuda é pouca para fazer face ao combate às chamas. Que se previnam com os meios que tenham ao seu alcance, sempre em segurança, para protegerem os seus bens e os seus familiares, mas sempre com segurança e ajudarem na medida do possível. E sigam as orientações claras das autoridades, nomeadamente da GNR, que está no local desde a primeira hora”, pediu Sérgio Costa.

 

Segundo a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), pelas 21:00 estavam a combater as chamas 276 operacionais, apoiados por 81 viaturas e os oito meios aéreos já tinham abandonado o teatro de operações.

 

Notícia atualizada às 21:15

 

 

Publicidade
(Fim do artigo – www.guardanoticias.pt – As notícias da Guarda no Facebook e Twiter). G-WH913LSLRB 86d4e63d557e44029786b77c5bab0cb3
%d bloggers like this: